Patrimônio Arquitetônico de Fortaleza



Liceu do Ceará - Sede onde o Colégio Liceu do Ceará funciona desde 1937. O prédio original (inaugurado em 1894) na Praça dos Voluntários, foi demolido para construção do prédio da Polícia Civil.



Esse prédio já foi sede da Escola Normal, da faculdade de Medicina, de odontologia e enfermagem. Situa-se ao lado do Teatro José de Alencar. e hoje, abriga o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.


Praça  José de Alencar - Antiga Praça Marquês de Herval, Entre as Ruas General Sampaio, 24 de Maio, Liberato Barroso e Guilherme Rocha. Fica em frente ao Theatro José de Alencar, e junto com o IPHAN, e a Igreja do Patrocínio, forma um importante conjunto arquitetônico. A estátua localizada no centro da praça é obra de um escultor italiano. Foi construída por iniciativa do jornalista Gilberto Câmara, em comemoração ao centenário do escritor.


Theatro José de Alencar - Inaugurado a 17 de junho de 1910, é composto por uma estrutura metálica importada da escócia (acima), que fica por trás da fachada em estilo neoclássico (abaixo). O salão principal, com quatro andares, possui um palco com elevador. O teatro conta ainda com uma biblioteca, uma galeria de artes e um jardim lateral (projetado pelo paisagista Burle Max). Em 1964 foi tombado como patrimônio histórico nacional pelo IPHAN, constitui um dos mais significativos monumentos artísticos da cidade. Foi restaurado pela última vez entre 1989 e 1991. Situa-se na Praça José de Alencar, s/n.


Casa de Juvenal Galeno - Casa onde residiu o poeta Juvenal Galeno, Rua General Sampaio (próx. ao Theatro José de Alencar).


Faculdade de Direito / Praça da Bandeira


Igreja do Carmo - Surgiu de uma simples capela, construída em 1870. Em 1879, teve sua planta reformulada pelo arquiteto Adolfo Hebster, e foi concluída em 1906. Fica na Praça do Carmo, entre a Av. Duque de Caxias, a rua Barão do Rio Branco, Major Facundo e Clarindo de Queiroz.


Instituto do Ceará - Sede do Instituto, Rua Barão do Rio Branco, em frente à Praça do Carmo.

Museu das Secas - Prédio do Antigo IFOCS. Tombado pelo IPHAN, atualmente encontra-se restaurado. Rua General Sampaio com Pedro Pereira.


Igreja de São Bernardo - Ruas Senador Pompeu com Pedro Pereira.


Praça do Ferreira - A mais tradicional praça de Fortaleza


Farmácia Osvaldo Cruz - Construída em 1934, foi a primeira farmácia de manipulação de Fortaleza, mantém até hoje, sua arquitetura e os móveis originais. Situa-se na Praça do Ferreira, Rua Major Facundo, 576 (Centro).


Palacete Ceará - Inaugurado em 1914, em 1946 passou a ser ocupado pela Caixa Econômica Federal, que o comprou em 1955 e o utiliza até hoje. Localização: Rua Guilherme Rocha, 48. Praça do Ferreira – Centro.


Praça dos Leões - Construída em 1877, oficialmente chama-se Praça General Tibúrcio , em homenagem ao General cearense (foto ao lado), que participou da Guerra do Paraguai. É conhecida popularmente por Praça dos Leões por possuir estátuas de leões em bronze trazidas da França no início do século. Recentemente recebeu uma estátua de bronze de Rachel de Queiroz, sentada em um dos bancos da praça. Situa-se no Cruzamento das ruas São Paulo e Sena Madureira.


Igreja do Rosário - Originou-se de uma pequena capela construída pelos escravos por volta de 1730, tendo passado por várias reformas. Recentemente, ia ser demolida pelo governo de Lúcio Alcântara, mas durante as obras foram achados corpos de escravos, forçando o cancelamento da demolição. Situa-se na Praça dos Leões, ao lado da Academia Cearense de Letras e próximo ao Museu do Ceará.


Palácio da Luz - Localizado na Praça dos Leões, ao lado da Igreja do Rosário, o Palácio da Luz, foi construído no final do século XVIII para servir de residência ao capitão-mor António da Costa Viana. Em 1814 foi adquirido pelo governo imperial e depois ocupado como sede do governo estadual. Atualmente abriga a Academia Cearense de Letras.


Museu do Ceará - O prédio construído entre 1856 e 1871, para abrigar a  Assembléia Legislativa do Estado. Depois que a Assembléia mudou-se, abrigou a Faculdade de Direito, a Biblioteca Pública e a Academia Cearense de Letras. Foi tombado pelo IPHAN e hoje abriga o Museu do Ceará. Possui objetos de grande valor histórico como o livro no qual foi lavrada a abolição dos escravos no Ceará e a bandeira utilizada na Confederação do Equador. Situa-se na Rua São Paulo, 51 (ao lado da Praça dos Leões, no Centro).


Catedral - A antiga Igreja da Sé, concluída em 1854 foi demolida em 1938 para a construção de uma nova catedral. Com seu imponente estilo gótico, a catedral levou 40 anos para ser construída. As obras começaram em 1939 e duraram 40 anos. Tem capacidade para 5.000 pessoas. Situa-se na Rua Sobral, s/n  (Centro).


Paço Municipal - Casarão construído na metade do Século XIX, foi adquirido pelo governo em 1866 e transferido para o bispado em 1892. Funcionou como Paço Municipal entre 1973 e 2001. Seu terreno possui um lindo parque cortado pelo riacho Paejú. Rua São José, por trás da Catedral.


Estação Central João Felipe - Foi construída em 1880. Foi ponto de chegada e partida dos trens que levavam mercadorias e passageiros da capital para o interior e do interior pra capital. Mantém a fachada (em estilo neoclássico) praticamente inalterada e funciona hoje, sob tutela do Metrofor, fazendo linhas para Caucaia e Pacatuba. Fica na Rua João Moreira, em frente a Praça Castro Carreira (Praça da Estação), no Centro.


Passeio Púlbico - No início do século XIX o Passeio Público chamava-se Campo da Pólvora. À partir de 1825, devido ao fuzilamento de participantes da Confederação do Equador (Padre Mororó, Pessoa Anta, Coronel Carapinima, Azevedo Bolão, entre outros), passou a ser conhecido como Praça dos Mártires. Construído no século XIX, em estilo neoclássico, foi importante ponto de lazer da sociedade fortalezense, até a ajardinamento das Praças do Ferreira e Marquês de Herval (atual Praça José de Alencar). A praça, bastante freqüentada pelos membros da Padaria Espiritual, foi reformada nos moldes do Passeio Público do Rio de Janeiro.  Possui várias estátuas de deuses pagãos, um antigo baobá (foto) e um coreto, onde durante muito tempo se apresentou a banda da Polícia. Foi tombada como patrimônio histórico nacional. Situa-se entre as ruas Barão do Rio Branco, Dr. João Moreira e Floriano Peixoto, ao lado da 10ª Região Militar.


Santa Casa - O Hospital da Caridade, concluído em 1857, levou 10 anos para ser construído e só possuía o pavimento térreo. Foi reformado e re-inaugurado em 1961 com o nome de Santa Casa de Misericórdia. Rua Barão do Brio Branco, ao lado do Passeio Público.


Seminário da Prainha - Datado do século XIX, antigamente os seminaristas de todo o estado passavam os 2 últimos anos do seminário no Seminário da Prainha. Entre eles, o Padre Cícero. Fica no Cruzamento da Av. Dom Manuel com Av. Monsenhor Tabosa. Passou recentemente por restauração.


Teatro São José - Foi inaugurado em 1915, abriga o "Museu do Maracatu". Está protegido por Lei Municipal. Forma, junto com o Monumento ao Cristo Redentor e o Seminário da Prainha, importante conjunto arquitetônico. Localização: Praça Cristo Redentor, em frente ao Centro Cultural Dragão do Mar.


Cristo Redentor - Monumento construído pelo Círculo de Operários em 1922 em homenagem ao centenário da independência do Brasil. Situa-se na Praça Cristo Redentor, em Frente ao Centro Cultural Dragão do Mar e ao lado do Seminário da Prainha.


Alfândega - Antiga Receita Federal. Prédio reformado entre 1941 e 1945. Avenida Pessoa Anta, 287.


Mercado dos Pinhões - O Mercado dos Pinhões atual é na verdade apenas a metade do antigo Mercado do Ferro, inaugurado a 18 de abril de 1897. Fabricado na França, abrigava o mercado de carnes, que foi desmontado em 1938. Agora denominado Mercado das Artes, revela em si dias importantes iniciativas do resgate histórico: a restauração e conservação de um patrimônio arquitetônico e histórico da cidade. Praça Visconde de Pelotas, entrem as ruas Nogueira Acioly, Gonçalves Lêdo, Ten. Benévolo e Pereira Filgueiras.