Personalidades


Alberto Nepomuceno

Alberto Nepomuceno nasceu em em julho de 1864, na cidade de Fortaleza, mais precisamente na antiga Rua Amélia (Atual Rua Senador Pompeu). Era filho de Victor Augusto Nepomuceno, músico professor de violino e organista da antiga catedral. Desde cedo, Victor ensinou música a Alberto, que logo mostrou seu talento. Aos 8 anos, mudou-se para Recife com a família. Ficou órfão aos 16 anos, tendo que trabalhar numa tipografia e dar aulas de piano para sustentar a família - sem nunca abandonar os estudos musicais. Aos 20 anos, regressou a Fortaleza, onde se filiou ao grupo abolicionista Centro 25 de Dezembro através de suas ligações com João Brígido e João Cordeiro. Nesse tempo, Alberto já tinha planos de ir para a Europa aperfeiçoar sua formação musical, mas as suas atividades abolicionistas fizeram com que o Governo Imperial negasse uma ajuda de custo. No ano seguinte mudou-se sem a família para o Rio de Janeiro. Lá, fez inúmeras apresentações, entrou em contato com vários artistas e foi nomeado professor de piano do Clube Beethoven. Seu interesse pela literatura brasileira fez com que se aproximasse de escritores como Olavo Bilac, Aluísio de Azevedo e Machado de Assis - contato salutar que fortaleceu seu interesse pela valorização da língua portuguesa na música. Em 1888 Alberto termina uma turnê nordestina, com a qual finalmente arrecadou fundos para sua viagem à Europa. Morou em várias capitais européias. Casou com uma alemã, com quem teve 4 filhos, conheceu vários compositores famosos da época, regeu várias peças e fez grande sucesso com seu trabalho. Alberto tornou-se um dos mais ousados músicos da historiografia brasileira. Defendia o estudo do folclore brasileiro como meio de conhecer nossas raízes musicais e fundar nossa própria escola musical. Incorporou com grande estilo a tradição popular à musica erudita e divulgou o trabalho de compositores brasileiros na Europa. Retornou ao Brasil em 1895. No Rio de Janeiro, apresentou suas primeiras canções escritas em português. Fez vários concertos, dirigiu o Instituto Nacional de Música (1902-1903) e compôs o hino do Ceará. Foi um grande incentivador de Heitor Villa-Lobos, cuja obra deu continuidade ao seu pioneirismo. Em 1919 compôs sua última peça, para piano e voz, com versos de Juvenal Galeno. Faleceu em 23 de setembro de 1920.


Antônio Bezerra

Antônio Bezerra de Menezes nasceu em Quexeramobim (CE) em 21 de fevereiro de 1841,  filho do líder católico Manoel Soares da Silva Bezerra de Menezes e Maria Teresa de Albuquerque Bezerra.  Como jornalista, defendeu fervorosamente a causa abolicionista, fazendo parte inclusive da Sociedade Cearense Libertadora (da qual também participavam Justiniano de Serpa, Cruz Saldanha, José Cordeiro, Dragão do Mar, Papi Júnior, dentre outros).  Compôs versos com Justiniano de Serpa e Antônio Martins. Como cronista e historiador rigoroso deixou importantes registros históricos da Fortaleza do final do século XIX,  foi um dos fundadores do Instituto do Ceará (1887)  e da Academia Cearense de Letras, em 1894 (Patrono da Cadeira n.º 5), tendo sido membro da Padaria Espiritual, em 1892 e do Centro Literário, em 1894. Faleceu em 28 de agosto de 1921.


Antônio Conselheiro


Antônio Vicente Mendes Maciel - Nasceu em Quixeramobim (CE) no ano de 1828. Viveu em uma sociedade injusta, marcada pela exclusão, violência e miséria. Em virtude da morte de seu pai, em 1855 (devido a disputa de terras), não pôde continuar os estudos e tornar-se padre. Casado, fracassou em vários empregos: professor primário, caixeiro e rábula. Foi abandonado pela mulher em 1957, que o trocou por um soldado de polícia. Arruinado e sem dinheiro, mudou-se para Bahia. Tinha o sonho de viver em uma comunidade sem exploração, tendo como sustentáculo, a Fé e o trabalho, onde as pessoas fossem felizes e vivessem em paz. Tornando-se um beato e iniciou sua pregação, formando uma legião de seguidores sertanejos. Em 1893, Conselheiro e seus seguidores fixaram-se numa fazenda abandonada (às margens do rio Vasa-barris), que Conselheiro batizou como "Arraial de Belo-Monte", mais conhecida como Canudos, formando uma comunidade alternativa, igualitária. Logo a comunidade atingiu dimensões extraordinárias, atingindo 30 mil pessoas e assustou as elites nordestinas, que perdiam sua mão-de-obra servil. Canudos passou a ser difamada e descriminada, culminando com a sua destruição em 1897. Conselheiro foi morto e a maioria dos canudenses foram degolados. Esta é a única foto de Antônio Conselheiro que chegou aos nossos dias. O episódio de Canudos inspirou o jornalista Euclides da Cunha (correspondente do jornal "O Estado de São Paulo") a escrever a obra "Os sertões" e muitas outras obras como pinturas de Descartes Gadelha e o filme" Canudos".


Antônio Rodrigues Ferreira (Boticário Ferreira)


Antônio Rodrigues Ferreira nasceu do Rio de Janeiro, em 1799. Ainda jovem, veio para Fartaleza, trabalhando como caixeiro para o comerciante Antônio Caetano. Foi vereador, prefeito e presidiu da Câmara Estadual do Ceará de 3 de março de 1843 até 29 de abril de 1859, quando faleceu. Como presidente, era o executor das decisões do Colegiado e suas ações são notórias na história da cidade de Fortaleza. Empenhou-se na construção da Santa Casa, foi o responsável pela construção da Praça do Ferreira e resguardou tenazmente, ao lado de Silva Paulet, a regular expansão urbana de Fortaleza.




Antônio Sales

Um dos principais escritores cearenses, nasceu a 13 de junho de 1868 em Parazinho, lugarejo próximo a Paracurú, atualmente coberto pelas dunas. Em 1884, passou a trabalhar como caixeiro em Fortaleza. Era autodidata e começou escrevendo nas horas vagas. Dois anos depois de chegar em Fortaleza, em 1886, publica seu primeiro soneto, pelo Clube Literário. Tornou-se funcionário público em 1888, trabalhando na Intendência de Socorros Públicos de Fortaleza, mais tarde assumindo o cargo de Secretário de Estado dos Negócios do Interior. Foi o idealizador,  fundador e líder da Padaria Espiritual, e o principal responsável pela irreverência do movimento. Em 1897 foi transferido para o Rio de Janeiro, onde conheceu entre outros, Machado de Assis e participou das primeiras cogitações para criação da Academia Brasileira de Letras. Muito admirado fora do Ceará, Antônio Sales foi cogitado para compor o primeiro corpo de sócios da entidade. Fundou o jornal "Correio da Manhã", onde teve forte atuação, e contribuiu com muitos outros jornais de todo Brasil. Sua obra-prima, "Aves de Arribação", belíssimo romance, foi publicada em 1902. Em 1920, voltou para o Ceará. Dez anos depois, foi chamado para a Academia Cearense de Letras, que presidiu até 1937. Ocupou a cadeira N.º 20 (José de Alencar). Faleceu aos 72 anos, em 14 de novembro de 1940, quando vivia na Rua Liberato Barroso, nº 1383. Foi enterrado no Cemitério São João Batista, em Fortaleza


Bezerra de Menezes

Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti. Nasceu na Freguesia de Riacho do Sangue, hoje Jaguaretama, em 29 de agosto de 1831 e faleceu na manhã de 11 de abril de 1900, no Rio de Janeiro. Intelectual e político de peso na sua época, teve grande atuação na capital do Império, embora seja mais lembrado pela dedicação aos pobres como médico e pela divulgação do Espiritismo, doutrina que aderiu aos 55 anos. Entre 1842 e 1846 viveu  na Serra dos Martins (RN), devido à perseguição a sua família devido à aproximação com o Partido Liberal. De volta ao Ceará, matriculou-se no Liceu do Ceará, onde concluiu o curso secundário. Em 1851 mudou-se para o Rio de Janeiro, onde fez o curso de medicina e ficou conhecido como "Médico dos Pobres" - atendendo gratuitamente os enfermos carentes. Tornou-se 2º Cirurgião-Tenente do Corpo de Saúde do Exército, membro da Academia Imperial de Medicina, membro honorário no Instituto Farmacêutico e, mesmo do Rio de Janeiro, presidiu a Sociedade Beneficência Cearense. Dez anos depois de mudar-se para o Rio de Janeiro, entra para o cenário político como vereador, pelo Partido Liberal. Representou o Rio de Janeiro ainda como Deputado Geral até 1885. Abolicionista e opositor da monarquia, trabalhou sempre pelos mais fracos. Depois de 11 anos de intimidade com o Espiritismo, adotou-o oficialmente em 1886. E a partir desse período, passou a dedicar-se à doutrina,  contribuindo para a sua divulgação  e presidindo a Federação Espírita por duas vezes.


Capistrano de Abreu

"Príncipe dos historiadores brasileiros", João Capistrano Honório de Abreu nasceu a 23 de outubro de 1853, em Maranguape (CE). Estudou no Ateneu Cearense, no Seminário Episcopal da Capital e conluiu os estudos em Pernambuco, no colégio de Artes de Refice. Quando voltou à Fortaleza, fundou a Escola Popular (1874), jutamente com Thomaz Pompeu - estabelecimento que oferecia educação no período noturno para pessoas de baixa renda. Em 1875 foi para o Rio de Janeiro, a convite de José de Alencar. No Rio, era colaborador d"O Globo" e da "Gazeta de Notícias". Ensinou no Colégio Aquino e em 1880 passou a ser professor de História no Colégio Pedro II, em cujo concurso impresisonou até o próprio Imperador. Era Oficial da Biblioteca Nacional e em 1887 foi eleito membro do Instituto Histórico e Geográfico do Brasil. Grande pesquisador, renovou os estudos históricos no Brasil no que diz respeito a investigação e interpretação. Era altamente rigoroso quanto às fontes de pesquisa. Publicou inúmeras obras sobre história, geografia e antropologia do brasil. Casou-se com a carioca Maria José Fonseca (em 1881), com quem teve 5 filhos. Faleceu em 13 de agosto de 1927 no Rio de Janeiro. Foi enterrado no Cemitério São João Batista.


Dragão do Mar

Francisco José do Nascimento - Jangadeiro, popularmente conhecido como Chico da Matilde, nasceu em 15 de abril de 1839 em Canoa Quebrada, Aracati (CE). Símbolo nacional da luta contra a escravidão, virou "Dragão do Mar" devido à sua coragem e ousadia de recusar-se a transportar escravos em sua jangada. Sob influência dos abolicionistas, junto com José Luís Napoleão comandou a greve dos jangadeiros contra a escravidão nos dias 27, 30 e 31 de janeiro de 1881, no porto do Mucuripe. Em 1884, quando oficialmente foi abolida a escravidão no Ceará (4 anos antes que no resto do Brasil), Dragão do Mar foi levado até a capital do País, onde foi alvo de várias homenagens. Desfilou pelas ruas e Foi até a corte com sua jangada, onde foi recebido com uma chuva de flores pelos abolicionistas. Entregou sua jangada ao Museu Nacional, como marco do abolicionismo dos jangadeiros cearenses. Faleceu em 6 de março de 1914.


Emiliano Queiroz

Emiliano Queiroz nasceu em Aracati, em 1º de janeiro de 1933. Começou atuando em peças colegiais, com apenas 4 anos, quando estudou em Russas. Mudou-se para Fortaleza durante a adolescência, onde fundou, aos 15 anos, o grupo TAF (Teatro de Arte de Fortaleza). Nos anos 1950, atuou em Rádio-novelas de Fortaleza. Foi estudar teatro em São Paulo e no início dos anos 60 voltou para Fortaleza para atuar na recém criada TVCE (TV Ceará). Participou da primeira novela cearense (Poeira Vermelha). Volta a São Paulo para atuar na TV Cultura e na então TV Paulista (novela "Eu amo esse homem"). Nessa mesma época, foi selecionado por Mazzaropi para fazer o filma "O Lamparina" (1964), seu primeiro longa-metragem. Construiu maior parte de sua carreira televisiva na Rede Globo (que comprou a TV Paulista), onde ajudou a lançar Janete Clair como escritora de novelas. Atualmente, tem uma histórico de 35 filmes e 70 novelas, sem nunca ter deixado de atuar no teatro.


Gilberto Câmara

Ilustre jornalista, nasceu em Fortaleza, a 2 de abril de 1897. Estudou no Colégio de Humanidades do Prof. Joaquim Nogueira e no Liceu do Ceará. Cursou a Faculdade de Direito do Ceará entre 1914 e 1920, bacharelando-se em ciências jurídicas e sociais. Na juventude, trabalhou na administração dos Correios do Ceará, migrando posteriormente para o ramo da imprensa, seguindo a trilha de seu pai, João Câmara (co-fundador do jornal "A República"). Foi redator do "Correio do Ceará", correspondente de outros jornais, como "O Imperial" e um dos membros fundadores da Associação de Jornalistas Cearenses. Foi sócio do Grêmio Literário Cearense e idealizador da estátua comemorativa do primeiro centenário de nascimento de José de Alencar, localizada em frente ao teatro homônimo.


Gustavo Barroso

Gustavo Dodt Barroso nasceu em 29 de dezembro de 1888, em Fortaleza, mais precisamente, no início da Rua Formosa (Barão do Rio Branco). Na infância, estudou no Colégio Parténon, do professor Lino Encarnação e no Liceu do Ceará. Cursou por três anos a Faculdade Livre de Direito do Ceará e em 1911, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde concluiu o curso. Entre 1915 e 1918, exerceu o mandato de Deputado Federal pelo Ceará. No governo de Benjamim Barroso, ocupou o cargo de Secretário do Interior e da Justiça. Foi jornalista, trabalhou do "Unitário", de João Brígido, no Jornal do Ceará e no Jornal do Comércio. Escreveu várias crônicas históricas e fez vários registros da cultura e do folclore cearenses em seus livros.  Apaixonado por Fortaleza, é sem dúvida, um dos mais importantes cronistas da cidade. Foi diretor do Museu Histórico Nacional e em 1923, entrou para a Academia Brasileira de Letras (Cadeira 19 / posição 3), da qual foi Secretário Geral e Presidente por duas vezes. Deixou uma das mais extensas e ilustres bibliografias do Brasil (mais de 100 livros), incluindo romances, crônicas, história, folclore, economia, e muitos outros temas. Faleceu no Rio de Janeiro, em 3 de dezembro de 1959.


Jacaré

Durante sua ditadura, Getúlio Vargas criou a Legislação Trabalhista, garantindo alguns direitos básicos dos trabalhadores. Os jangadeiros além de trabalharem em condições miseráveis, não usufruíam dos benefícios pois sua profissão não era reconhecida. Assim, Manuel Olimpio Meira, pescador fortalezense mais conhecido como "jacaré", juntou-se a outros 3 jangadeiros e liderou uma viagem de jangada até o Rio de Janeiro (então capital do Brasil) no intuito de levar a Getúlio Vargas as reivindicações dos pescadores. Saíram da Praia de Iracema em 14 de setembro de 1941 e depois de 61 dias concluíram o percurso de 2500 km até o Rio de Janeiro. O Feito dos jangadeiros fortalezenses teve repercussão nacional e foram recebidos com louvor na capital brasileira, onde se encontraram pessoalmente com o presidente Vargas. Pouco tempo depois, em 1942, o cineasta norte-americano Orson Welles (autor do filme "Cidadão Kane") veio ao Brasil fazer um filme com a história dos pescadores. Infelizmente, durante as filmagens, Jacaré faleceu. Caiu da jangada e seu corpo desapareceu no mar. O filme nunca foi concluído. Em 1982 a película foi encontrada e em 2001, foi lançado um documentário sobre a história dos pescadores e do filme de Orson Welles - "O Cidadão Jacaré".


João Brígido

João Brígido nasceu em 3 de dezembro de 1829 na cidade de São João da Barra (RJ), mas viveu no Ceará desde pequeno. Combativo, polêmico e destemido,  começou a atuar na imprensa aos 21 anos, trabalhando no Jornal "O Araripe", no Crato. Trabalhou ainda no jornal "O Cearense" ao lado do Senador Pompeu. Foi professor do Liceu do Ceará e atuou por vários anos na política, tendo exercido mandatos de deputado e senador, até que em 1903, fundou seu próprio jornal, "O Unitário", onde fazia oposição mordaz à oligarquia de Nougueira Accioli. Escreveu alguns livros sobre história do Ceará, como "Apontamentos para a história do Cariri" (1888) e "Ceará: Fatos e Homens". Fez também muitas crônicas históricas com temáticas cearenses, a principal é "Fortaleza em 1810", publicada no "Unitário". Umas das mais preciosas descrições da cidade no início do século XVIII. Faleceu em 14 de outubro de 1921, em Fortaleza.


Jovita Feitosa

Antônia Alves Feitosa - Nascida em Brejo Sêco (Inhamuns), em 8 de março de 1848. Perdeu a mãe com apenas 12 anos, devido à uma epidemia de cólera. Mudou-se com o Pai para Jaicós (PI). Tinha 17 anos e pretendia dedicar-se à arte da música, quando tomou conhecimento da Guerra do Paraguai. Largou seus anseios musicais e, escondida e disfarçada de homem, foi à capital alistar-se para ir à guerra "vingar a humilhação passada pelos seus compatriotas nas mãos dos desalmados paraguaios". Jovita conseguiu alistar-se, porém, ainda antes de ir para a guerra, foi descoberta: uma mulher percebeu os furos em suas orelhas, apalpou seus seios à força e a denunciou às autoridades. Mesmo descoberta, em 9 de setembro de 1865, Jovita foi ao Rio de Janeiro com os demais voluntários, onde foi aclamada pelo povo e recebeu inúmeras homenagens, discursos e admirações devido à sua atitude patriótica. Contudo, uma semana depois, o então ministro da guerra expediu um ofício impedindo-a de ir aos campos de batalha. Jovita acabou matando-se de tanta infelicidade.


Nirez

Filho de Otacílio de Azevedo, nasceu em 15 de maio de 1934. Seu nome de batismo é Miguel Ângelo de Azevedo. É um dos maiores pesquisadores da música e da história de Fortaleza, das quais é profundo conhecedor. Jornalista aposentado, foi diretor do Museu da Imagem e do Som (MIS) de Fortaleza e publicou várias obras sobre história, especialmente história da música brasileira - tendo sido agraciado com várias medalhas e premiações (Troféu Sereia de Ouro, Medalha Boticário Ferreira, Medalha do Mérito Cultural da Fundação Joaquim Nabuco, dentre outras). Possui um dos maiores acervos fotográficos sobre a cidade e uma das maiores coleções de discos de cera do Ceará, com milhares de exemplares. Apresenta semananalmente, desde 1963, na Rádio Universitária da UFC (FM 107,9), o programa "Arquivo de Cera", cujo repertório é composto exclusivamente por discos de cera de seu acervo.


Otacílio de Azevedo

Natural do município de Redenção, Otacílio Ferreira de Azevedo nasceu em 11 de fevereiro de 1896, mudando-se para Fortaleza em 1910. Pintor e poeta, foi um dos grandes cronistas históricos de Fortaleza. É autor de "Fortaleza Descalça", importante registro histórico e antropológico da bucólica Fortaleza do início do século XX. Iniciou-se na pintura, com anúncios e letreiros, passando posteriormente às telas. Escreveu seu primeiro livro de versos com apenas 16 anos: "Dentro do Passado" (1913), quando trabalhava em uma barbearia. De origem humilde, trabalhou como assistente de fotografia de Niel Olsen (importante fotógrafo de Fortaleza no fim do Séc. XIX e início do séc. XX) e posteriormente na companhia de bondes e luz elétrica "The Ceará Light and Tramways & Power Co. Ltd.", período durante o qual escreveu seu segundo livro "Alma Ansiosa" (1918). Muito estudioso, conviveu com ilustres escritores, como Antônio Sales, Beni Carvalho e Leonardo Mota. Entrou para a Academia Cearense de Letras em 1969, já com 73 anos de idade, onde ocupou a cadeira de n.º 26 (Manoel Soares da Silva Bezerra).


Padre Cícero

Cícero Romão Batista - Nasceu no Crato, região do Cariri, em 24 de março de 1844. Iniciou-se cedo na vida religiosa. Preparou-se no Seminário da Prainha, em fortaleza (ver fotos) e ordenou-se padre em 1870, regressando ao Crato. Foi convidado por amigos a passar uma temporada em Juazeiro do Norte (também na região do Cariri), pois a cidade estava sem sacerdote. Acabou ficando lá pelo resto da vida, envolvendo-se com a política e tornando-se um verdadeiro patriarca do Juazeiro. Na manhã de 1ª de março de 1889, durante sua rotina diária de padre, presenciou um milagre: ao dar comunhão às beatas, uma delas, Maria de Araújo, cai no chão. Ao socorrê-la, os presentes viram a hóstia, tingida de sangue, caída no chão. Achou-se ser o sangue de Cristo. De início, o fato foi mantido em segredo, apesar de ter se repetido várias vezes. Quando o monsenhor Francisco Monteiro, Reitor do seminário do Crato, ficou sabendo, o milagre virou notícia nacional. Foi alvo de investigações e de grandes controvérsias entre o Padre Cícero, Dom Joaquim, bispo do Ceará e a Igreja Católica. Padre Cícero teve que se retirar de Juazeiro por alguns meses sob ameaça de excomunhão e chegou a ir a Roma para se explicar ao Santo Ofício. Sua atuação na política foi mais expressiva à partir de 1908. Foi o 1º prefeito de Juazeiro e chegou a ser vice-presidente do Ceará. Esteve sempre envolvido com as elites, atuando como conciliador entre as oligarquias rurais e os sertanejos pobres, impedindo sua emancipação social e política. Acumulou imensa riqueza, tendo ao final da vida, segundo seu próprio testamento, 5 fazendas, 30 sítios, imensa criação de gado, vários terrenos e construções urbanas. Riqueza comparável a das famílias ricas tradicionais da região. Faleceu em 20 de julho de 1934. TInha 90 anos, seu enterro foi acompanhado por milhares de pessoas e recentemente foi perdoado pela igreja.


Padre Ibiapina

José Antônio Pereira Ibiapina nasceu em Sobral, em 1806. Era filho do tenente-coronel Francisco Miguel Pereira Ibiapina, que participou da Confederação do Equador ao lado de José Martiniano de Alencar (pai do escritor José de Alencar). Ao final da Confederação, José Martiniano de Alencar foi inocentado, mas o tenente-coronel Francisco Miguel Pereira Ibiapina não teve a mesma sorte: foi fuzilado no Campo da Pólvora em Fortaleza (local que passou a chamar-se, em homenagem aos participantes da confederação, "Praça dos Mártires" - atual Passeio Público).
Padre Ibiapina bacharelou-se em direito pela Academia de Olinda (PE) em 1832. No ano seguinte tornou-se juiz de Quixeramobim (CE), cargo que ocupou até 1936. Militou no Partido Liberal e chegou a ser noivo de Carolina Clarence, filha de Tristão Gonçalves. Largou tudo e entrou no Seminário, ordenando-se padre em 1853 (já com 47 anos). Iniciou uma grande peregrinação pelo sertão nordestino, praticando obras filantrópicas e ajudando o povo. Com ajuda de seus seguidores criou vários orfanatos, construiu cemitérios, açudes, cacimbas e capelas. Adquiriu fama de profeta e curador. Faleceu em 1883, na Paraíba. Sua prática religiosa e social, voltada ao povo serviu de inspiração para Antônio Conselheiro e Padre Cícero.


Papi Júnior

Filho de pais estrangeiros, Antônio Papi Júnior nasceu no Rio de Janeiro, em 5 de janeiro de 1854, mas viveu maior parte de sua vida em Fortaleza, onde teve prolifera atuação social e cultural. Entrou para o exército imperial como praça voluntário com apenas 16 anos, sendo frequentemente reprimido ou mesmo preso por "insubmissão". Foi transferido para em Fortaleza em 1875, e 4 anos depois foi afastado por problemas de saúde. Correspondente de Eça de Queiroz, foi dramaturgo, crítico teatral, poeta, contista, crítico literário, e romancista. Abolicionista e republicano, participou da Cearense Libertadora (1880), do Clube Republicano (1889), do Centro Literário (1894) e foi professor do Liceu do Ceará de 1913 até pelo menos 1925. Foi incluído na Academia Cearense de Letras já idoso, em 1922, durante sua reorganização por iniciativa de Leonardo Mota. Seu patrono (Oliveira Paiva) foi escolhido apenas em 1930. Faleceu em Fortaleza, a 5 de novembro de 1934.


Pedro Pereira
Pedro Pereira da Silva Guimarães - Deputado de Aracati, foi pioneiro do abolicionismo no meio jurídico. Vinte anos antes da aprovação da "Lei do Ventre Livre", entre 1850 e 1852, apresentou na Câmara Geral do País, sem sucesso, vários projetos para alforriar os os negros então nascidos.


Quintino Cunha

José Quintino da Cunha. Nasceu em 24 de fevereiro de 1875, em São Francisco de Uruburetama, hoje município de Itapajé. Quintino Cunha, advogo e poeta - O "Bocage" cearense - ficou famoso por seu jeito moleque, suas "tiradas", sua alegria contagiante e sua sensibilidade. Boêmio, assíduo freqüentador das rodas de bate-papo na Praça do Ferreira, no Passeio Público, nos antigos cafés Java, Art nouveau, Glória e Riche, declamava versos e discutia sobre arte, literatura e política. Seu talento jornalístico aflorou cedo. Já aos 11 anos, estreou na imprensa, redigindo "O Álbum" e colaborando no jornal "O Cruzeiro", ambos de Baturité. Aos 16 anos, escreveu "O Cabeleira", homônimo de Franklin Távora, ressaltando o lado humano do temido personagem Cabeleira. Estudou no Ginásio Cearense, então dirigido pelo Professor Anacleto Cavalcanti e na Escola Militar. Depois de alguns anos atuando como rábula, cursou a Faculdade Livre de Direito do Ceará. Aceitava os casos mais difíceis de defesa e mesmo assim, conseguia sucesso. Foi Deputado Estadual, ocasião em que defendia fervorosamente a melhoria da instrução do povo e onde lutou contra a extinção da Faculdade de Direito, então cogitada na Assembléia. Residia na Av. Visconde do Rio Branco, 3312 quando faleceu, na madrugada de 1º de junho de 1943. Em seu túmulo, a citação: "O Padre Eterno, segundo / refere a História Sagrada / Tirou o mundo do nada / e eu nada tirei do mundo".


Rodolfo Teófilo

Rodolfo Marcos Teófilo nasceu em Salvador da Bahia, em 1853, e faleceu em Fortaleza, em 1932. Órfão aos 11 anos, ficou sob tutela do parente José Francisco da Silva Albano, o Barão de Aratanha. Formou-se em farmácia pela Faculdade de Medicina da Bahia, em 1875 e estabeleceu-se no Ceará. Era um homem muito inteligente, eclético, solidário e atuante. Resumidamente, foi professor do Liceu do Ceará, Catedrático de Ciências Naturais da Escola Normal; dirigiu a Padaria Espiritual, escreveu vários romances, crônicas, contos e poesias, sendo patrono da cadeira de n.º 33 da Academia Cearense de Letras; participou do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, do Instituto do Ceará e defendeu os ideais abolicionistas. Contudo, seu feito mais marcante na história cearense – uma real prova de amor ao povo cearense e algo realmente digno de homenagens até maiores – foi extinguir, por iniciativa própria, a varíola do Ceará no ano de 1903, através de uma heróica campanha de vacinação. Depois de assistir o descaso da administração pública frente à grande epidemia de varíola de 1878 no Ceará, Rodolfo Teófilo decide iniciar uma campanha de vacinação contra a doença. Aprendeu a fabricar a vacina e, em 1901, passou a vacinar o povo com ajuda de sua mulher e um criado. O único limite à sua filantropia foram a falta de recursos e infra-estrutura, problema que tentou contornar criando uma pequena industria, cujos lucros foram utilizados para a construção de seu instituto vacínico – “Vacinogênio Rodolpho Teophilo”. Conforme seus próprios relatos, ia pelos subúrbios, de casa em casa, de palhoça em palhoça, vacinando as pessoas. Somente mais tarde criaria a Liga Cearense Contra a Varíola, contando então com voluntários em praticamente todo o interior do estado na luta contra a doença. Rodolfo Teófilo não contava com o suporte da administração pública. Pelo contrário, a oligarquia de Antônio Nogueira Acioli, sentindo-se desmoralizada pelo heroísmo e sucesso de Rodolfo Teófilo frente à suas ineficientes gestões, passou a desmoralizá-lo e insultá-lo através da imprensa. Rodolfo chegou a ser demitido do Liceu e a população carente, que mais necessitava da vacina, não confiava em suas vacinas. Devido a isso, Rodolfo Teófilo teve que chegar ao extremo de pagar às pessoas para que se deixassem vacinar.


Senador Pompeu

Tomás Pompeu de Souza Brasil, mais conhecido como Senador Pompeu, nasceu em Santa Quitéria (CE), em 6 de julho de 1818. Estudou na Faculdade de Direito do Recife e no Seminário de Olinda. Foi o primeiro diretor do Liceu do Ceará, onde era também professor de História e Geografia. Em 1845, ano em que começaram as atividades do Liceu, Tomás Pompeu entrou também para a política. Líder do Partido Liberal no Ceará, foi indicado como senador em 1864. Publicou várias obras sobre história e geografia e foi membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, fundado em 1938.





Washington Soares

Washington Soares e Silva foi um grande empresário e proprietário de terras em Fortaleza. Nasceu  em Ibiapina no dia 1º de janeiro de 1889. Passou a infância em sua cidade Natal e por volta de 1910 foi para Sobral estudar. Lá, engajou-se em nos movimentos literários, como o Grêmio Lítero-Sobralense, pelos quais publicou alguns poemas. Contudo, em 1917 saiu de Sobral em busca de independência. Trabalhou na Firma "Boris & Frères". Passou vários anos viajando pelos estados do nordeste. Em 1927, casou-se com a paraibana Sofia de Moura Soares e veio a se estabelecer em Fortaleza. Adquiriu uma imensa propriedade então pertencente a Antônio Filomeno Gomes. O terreno, que tinha cerca de 1.000 hectares, estendia-se desde o rio Cocó até a região das "Seis Bocas", abrangendo os atuais bairros de Água Fria, Lagoa Seca, Sapiranga, Precabura, Coité, Cocó (em parte), Dendê, Cacheada e Lagoa do Muçu. Além das Salinas situadas no atual Parque do Cocó, Washington Soares tinha olarias (produção de telha/tijolo) e plantações de milho, mandioca, feijão, jerimum e batata. Segundo Soares (2005), durante a seca de 1932, recebeu em suas terras retirantes do interior, acolhendo-os como trabalhadores e moradores do sítio. Na região do Cocó, Wasington Soares construiu uma pequena escola para os filhos dos pescadores da Colônia Z-58 e uma pequena ponte para a travessia do rio (anos 40). Na política, presidiu o PSD sem nunca ter se candidatado a qualquer cargo eletivo. Faleceu na Santa Casa de Misericórdia, aos 58 anos de idade, em 24 de agosto de 1947, vítima de grave enfermidade nos rins.


Fontes:

BARBOSA, J.P. História da Saúde Pública do Ceará, Fortaleza: EUFC, 1994, 148 p.

BEDÊ, F. L. O. Capistrano de Abreu, príncipe dos historiadores brasileiros, Fortaleza: Francisco L. O. Bedê, 2003, 67 p.

FARIAS, A. História do Ceará: dos índios à geração Cambeba, Fortaleza: Tropical Editora, 1997, 296p.

INSTITUTO DO CEARÁ, Miguel Angelo de Azevedo (Nirez) - Síntese Biográfica, Disponível no Portal do Instituto do Ceará, Acesso em: 16 Out. 2011.

JACQUES, J. Otacílio de Azevedo: 50 anos de pintura e poesia, Fortaleza: Multigraf, 1992, 90 p.

KLEIN-FILHO, L. Bezerra de Menezes, Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2002, 80 p.

MARTINS, F. Alberto Nepomuceno, Fortaleza, Edições Demócrito Rocha, 2000, 72p.

OLIVEIRA, C.S. Fortaleza: seis romances, seis visões, Fortaleza: Edições UFC, 2000, 250 p.

PARO, I. C. Antônio Conselheiro, In: Rebeldes Brasileiros: homens e mulheres que desafiaram o poder (Coleções Caros Amigos), fascículo n.º 2, São Paulo: Editora Casa Amarela, 2000, p. 48-63.

SOARES, I. Washington Soares: Fragmentos de uma vida, Fortaleza: Imprece, 2005, 108 p.

SOUZA, F. J. Quintino Cunha, Fortaleza, Edições Demócrito Rocha, 2002, 80p.